quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Ficha


Há um arrepio incessante na minha alma. Um medo que não passa, uma dor que não alivia, uma ansiedade que não cura. Vejo os dias passar pelos meus olhos, mas não vejo os resultados. É nessa hora que as lágrimas vêm. 

Essa angústia sufocante enfraquece minhas pernas e me vejo cambaleante, sem saber onde me apoiar. E, de repente, me descubro desistindo. Uma exceção, por menor que seja, me impede de manter a força no dia seguinte. E um drops, dois, três de açúcar invadem meu sistema. E um, dois, três livros vão sendo fechados sem chegar ao fim. E um, dois, três sonhos vão atingindo o chão já sem vida.

Sou inimiga de mim. Minha própria sabotadora. O exército me destituiria como desertora. Fujo do propósito e me agarro ao ardor dos meus ossos, à pena de mim mesma.

Nada acontece. E nada vai. Engulo o choro e percebo meu mal. Levante já dessa cama e vá viver como pretendia! Não foi para o desespero que fui chamada. 

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Oração

As lágrimas caem compulsivamente. O som que chega aos meus ouvidos também atinge meu coração. Quantas e quantas vezes lamentei meu cansaço, minhas dores, minhas frustrações e dificuldades, mas não recorri Àquele que me proporciona o descanso, o conforto e a certeza de saber que tem alguém cuidando de mim?!
Philip Yancey escreveu o livro "Alma sobrevivente - cristão apesar da igreja", contando como livros e autores influenciaram sua permanência na fé. Eu acrescentaria as canções. A música, talvez até mais do que os livros, me são como água derramada em terra seca. Acertam em cheio meu coração, minha fé, minhas cordas vocais, tão preciosas para mim.
Neste tempo, em que meus dias estão sendo carregados de angústia, de incertezas, de estresse, de conflitos, lembrar o Autor da Minha Fé, seu amor, o Dia da Vitória, e tudo o mais que Deus significa para mim, todos os aspectos, todas as vertentes, é encontrar manancial de vida em meio ao meu deserto.
Uma coisa simples. Mas que no meu vácuo existencial, serviu para inflar ar, para propagar ondas sonoras, para despertar sorrisos, para me encher de gratidão.
As lágrimas correram ao som de "Glória ao Senhor, o Autor da Minha Fé" e da voz suave do meu Senhor a dizer "Estou aqui".

Deleite-se também.


Autor da minha fé

Paulo Cézar da Silva - Grupo Logos

Oh Pai, eu queria tanto ver o meu Senhor descer vindo me encontrar;
Eu posso até imaginar a refulgente glória, do senhor Jesus.
Transpondo as brancas nuvens, no mais puro azul,
Onde nem sul, nem norte existirá.
E em meio a lágrimas, sorrisos de alegria e de prazer
Eu que era cego, agora posso ver, contemplar, contemplar enfim...
Por isso eu canto glória.
Coro
Glória, glória, ao autor da minha fé
Glória, glória, ao autor da minha fé
Oh Pai, eu queria tanto, tanto ouvir o som que vai abrir,
O encontro triunfal.
Rever amigos que, um dia em Cristo foram, feitos meus irmãos.
E agora sim, podemos dar as mãos, pois temos todos um,
Somente um, um só Senhor.
E eis o consolo que envolve a minha vida, o meu senhor Jesus
Que foi morto sim, naquela cruz,
Voltará, voltará enfim...
Por isso eu canto glória.
Coro
Glória, glória, ao autor da minha fé
Glória, glória, ao autor da minha fé
Glória ao Senhor (Aleluia)
Glória ao Senhor (Aleluia)
Glória ao Senhor (Aleluia)
Autor da minha fé (Aleluia)
Glória ao Senhor...

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Confiança

Tudo dói. Estabacada no chão, a ingenuidade abre os olhos e se depara com a necessidade de aprender a ser diferente. Sozinha se levanta e começa sua lição: confiança.

Limpa as mãos doloridas que tentaram aparar-lhe a queda; carente, enxuga a lágrima que teima em cair. Sozinha se ergue e dá mais um passo. Confiança.

Abaixa a cabeça, lembrando o deslize no piso, o som do salto rachando, o ego sendo embaraçosamente machucado. Sozinha, ajeita os cabelos e suspira profundo. Que confiança...

Seu apoio se partiu em pedaços. Sua verdade desmoronou com o colapso da mentira frágil. Encontrou no estrondo do tombo a realidade que tentou disfarçar. Sozinha, mancou trêmula até o sapato traiçoeiro. Confiança abalada, sem esperança de conserto.

Joelho ralado, o sangue a escorrer. Abre a porta devagar, com a dor como companheira. Ergue os olhos e já não é mais como antes. Chamou-se "vivida" e sorriu. Com tudo se aprende, com tudo se cresce. Não sem dor, nem paciência. Recolhe os cacos da confiança e os une junto ao peito. "Vamos de novo. Agora, do meu jeito".

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Sem medo

Um vento fresco empurrou a janela, entrou pela casa e trouxe cheiro de mudança. Anunciou o que já esperava: vem novidade por aí! Me empurrou devagar pela sala e me fez olhar a janela do horizonte, contemplando um futuro que ainda vai ser construído.

O sol brilhante fez reluzir o caminho que será traçado. Ele ainda não está pronto, mas aguarda as próximas peças, os tijolos amarelos, os trilhos nos Alpes quando ainda não existia trem*. Um arrepio me cortou a espinha. Seria medo? A velha pergunta veio como um sussurro dos quartos: "e se eu falhar?".

Abri as cortinas, tentando espantar o pensamento e o receio. Tirei a poeira da soleira e li a verdade que havia esquecido: "Mudanças não são simples. Elas exigem sacrifícios". Para falhar, basta dar lugar ao temor e ficar remoendo as dificuldades, ao invés de encará-las.

Lembrei da balança que, desde A Grande Decisão, havia recuado 8kg, dos 15kg que precisavam sair. Lembrei da estrada, que me chamava pela manhã, como uma amiga que se aproximava sem suas críticas, mas com palavras de ânimo e reforço - "Você pode!". Lembrei dos filmes preferidos sobre viradas, dos textos da amiga Rê Cabral e da máxima divina "Tudo posso nAquele que me fortalece".

Lembrei da borboleta saindo do casulo: energia, força e esforço. Perdas de pele, tecido e reconstrução. Um processo que começa em seu nascimento e que se desenvolve até o grande dia da metamorfose. Sangue correndo pelas novas veias das asas, transformando-a no que nasceu pra ser: um ser alado, brilhante e admirado.

O vento fez a curva e me trouxe esperança. Renovou o ânimo e me fez aceitar o desafio: vai me custar, mas não posso desistir. É hora de renovação. É hora de trabalhar. É hora de fazer meu melhor. Por mim mesma. Sem medo.

*Citação do filme "Under the Tuscan Sun".

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Tagging myself

Estou precisando escrever. Pra ver se eu descubro o que ainda está encoberto dentro de mim. Precisando escrever sobre os dias e seus encantos; seus enganos e dissabores; seus planos e decepções. Precisando escrever sobre mim, meus achismos e sensações, pra ver se descubro onde foi que, obtuso, eu me escondi de mim.

Num momento em que a vida parece calma, com o exterior se movendo lentamente - e estranhamente - fora de seu padrão, é nesses dias que o desafogo me deixa pensar em mim. E me reencontrar nunca é fácil e simples. Tem dores deixadas pra trás, vontades insuperáveis, perguntas demais sem resposta.

Não é aqui, contudo, que minha auto-análise (mentém-se o hífen nesse caso???) virá. Meu descrever não é matéria pública; não é carta aberta; não é anúncio em neon. É assunto pra quatro paredes, um lápis, um caderno, uma xícara de chá, lágrimas guardadas nos cantos dos olhos e um escritor. 

Um escritor e um autor. Eu e Deus. 

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Perfeitamente imperfeitos

Imperfeições....que tornam tudo perfeito. Pq as minhas não são as suas e as suas não são as minhas, mas ambos as temos. Isso me faz te olhar com misericórdia e empatia, e receber de volta o mesmo. Me faz entender que não somos melhores do que o outro, mas que nossas imperfeições nos completam...


video

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Vento de Saudade


Impetuoso, encheu a casa. Varreu os cômodos e seus incômodos. Tirou a poeira do comodismo, do lugar-comum e renovou a vontade do abraço, do sorriso e da presença.
Veio avassalador e me tirou o sossego. Bagunçou os cabelos, subiu a saia, trouxe arrepios e melancolia. Balançou os bibelôs na estante e corri pra fechar as janelas. De nada adiantou: a saudade veio cavalgando na crista do vento e se instalou no sofá da sala.
Sentiu-se visita e esperou o café. Contou de sua estrada errante, de seus caminhos longíquos e de seus passos em direção a mim. Escolheu a oportunidade certa e já chegou fazendo barulho. Me cobrou a atenção e a consideração de um parente distante. 
Não me deixou dormir com sua voz estridente. Não me deixou comer com suas queixas doloridas. Não me deixou respirar sem sufocar meu peito.
Instalou-se, confortavelmente, sem data para sair. Não pagou o aluguel, nem perguntou se poderia ficar. Simplesmente chegou, abraçada ao vento do momento, com suas roupas de cinza degradê. Se alimentou de meu sofrimento e segue contínua e crescente, até que a porta se abra e o sol penetre com o calor amável daquele que retornou.

terça-feira, 27 de março de 2012

Dia a dia

Eu conto os dias pelo meu trabalho. A cada boletim novo que escrevo, lá no topo está a data do dia e assim me oriento no calendário. Saltar um dia ou adiantar uma matéria é desarranjar minha anotação mental da posição em que estamos no mês.

Com felicidade, gravei hoje o arquivo do dia 27. Final de mês, finalmente. Isso significa salário novo saindo, o hoje passando mais rápido, o futuro chegando na velocidade da expectativa. Nem tanto, mas novos dias se aproximam.

O que me leva a pensar: não estou deitada numa cama, ociosamente, esperando o dia passar. Meu calendário continua recheado de atividades, de afazeres que parecem não ter fim. Com as preocupações normais da vida, as pressões normais da agenda, as vontades normais pelas mudanças.

Aproveitar o tempo, remi-lo, como diz a Bíblia, não é encher as horas de lazer somente. Mas é viver na plenitude: fazer o que é preciso, quando for preciso, organizando as pressões, trabalho, lazer, amigos, Saúde e tudo o mais que preenche os dias, de forma a ter a sensação de saciedade ao deitar a cabeça no travesseiro.

Tem dias que isso, simplesmente, não é possível e fico presa a uma única atividade, a um único sentimento, a um único qualquer coisa. Posso dizer que isso é desperdício? Não. Para amadurecer ideias, razões, motivos e circunstâncias também é preciso espaço e, de vez em quando, um pouco mais de dedicação. Mas não podem estagnar a vida.

Por isso, celebro o fim de mais um mês bem vivido, bem preenchido. Talvez não como eu tinha esperado e/ou planejado, mas com a bênção do pouco estresse. Celebro o andar da carruagem, a contagem dos dias que não cessam e a oportunidade de fazê-los melhor e de forma diferente, a cada dia.

segunda-feira, 26 de março de 2012

Interpretando o EU numa segunda

Você abre a vida numa segunda-feira amarrotada e, de repente, percebe-se perdida de si mesma. Não conhece aquele rosto sorridente e aquela confiança elogiada.

Olha pra si e pergunta onde foram parar seus conceitos, suas defesas, suas crenças. Nada restou de quem um dia foi e que definiu seus passos até o presente?

Questiona o modo de pensar, de aceitar, de andar, de entender e de viver. Questiona as concessões, as palavras, os sentimentos e a razão. Questiona o eu, o ego e o apego. E as perguntas seguem vazias de resposta.

Não se lembra sequer quando foi que deixou de ser quem era para tornar-se o que é. Que mal havia na transformação? Que crescimento trouxe a metamorfose? Limpa o exagero do cenário geral e vê que nem tudo está perdido.

Usa a balança, a peneira e o "desamassador" do bom senso e com um longo e estralante bocejo, espreguiça, ciente de que a vida não é a mesma e que você não é a mesma, mas é preciso se adaptar até que tudo se torne normal durante o dia...

E saia logo dessa cama, que, como disse, hoje é segunda-feira!

terça-feira, 6 de março de 2012

Silêncio


Arde.
Das lembranças surge o passivo de dor não curada. Contabilidade mal feita dos dias e das expectativas. Um vislumbre da possibilidade, do projeto, do sonho e do arquétipo jogados pela janela indiscreta do sem querer.

Palavras tortas com tom dissonante, disfarçados na atenção gerada pela culpa dos verbetes rolados pela língua abaixo, sem o bloqueio ou trava do pensamento.

Quando viu, já foi. O som já saiu. As cordas vocais já tremeram. As ondas sonoras já caminharam no espaço e atingiram os ouvidos, os tímpanos e o coração.

O receptor cai morto, atingido pelo significado e significante da mensagem que, de repente, destruiu seu fôlego de vida.

Uma ansiedade a menos. Uma taquicardia a mais. Mais uma vírgula arrancada do discurso do possível. Mais um dejeto no muro das lamentações internas.

E pronto. Ferida que arde, corroi, expõe e questiona a certeza que agora é firme como gelatina.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Novíssimo Tempo


Li a carta do passado mais uma vez. Palavras doces, de um consolo não solicitado, de uma verdade mentirosa, de uma expectativa sempre frustrada. O gosto amargo das lembranças foi seguido por um sorriso falso de melancolia ultrapassada. Nem mesmo a poesia literária de suas palavras foram absorvidas. Nem mesmo o ritmo da rima, os floreios das construções e as palavras que, um dia, trouxeram lágrimas aos olhos, foram suficientes para me fazer crer.

O passado passou. E com ele, seu engodo. Os tapinhas nas costas, que sugeriam um conforto e "mão amiga" ficaram no papel.

Ouça meu grito! Fique sabendo, senhor passado, que as cores do dia me são claras, que meu sorriso é autêntico, que há verdade nos meus passos, que há alegria contagiante na minha história! Saiba que as pedras que me lançou só serviram para que eu construísse pontes e não muros; só me ajudaram a ver os verdadeiros amigos e não mais me importar com quem não se importava; só me fizeram erguer um altar de adoração genuína em favor da graça vinda dos céus. Saiba o senhor que tenho esperança renovada, lágrimas, sim, mas de gratidão.

Que o caminho que trilhei negaram suas propostas vãs de encorajamento deturpado, na qual a mentira baseava seu alento. Escute, passado, que estão derrubadas suas tentativas de me fazer voltar à dor! Fui liberta, restaurada, amparada pelo verdadeiro Amor!

O que eu conto são boas novas de Vida e vida abundante. Meu coração não mais está preso ao meu querer. Meus sonhos não estão entrelaçados ao fracasso, mas seguem triunfantes à vitória!

Há, ao meu redor, um braço amigo - muitos, até, eu diria. Gente que caminha comigo, que sorri comigo, que chora comigo, que ora comigo.

Saiba, enfim, passado, que suas letras são mortas e suas garras não mais me alcançam: meu coração está protegido pelo escudo da salvação!

Com um gesto simples, destruo aqui o que restou da memória da solidão: rasgo a carta em mil pedaços e deixo que o vento se encarregue de levar pra longe o mal do escarnecimento. Daqui pra frente, não mais passado. Os dias de hoje são novos e bons. E no Senhor do Tempo resguardo meu futuro.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Alvorada

E foi assim que o dia começou.
Com o tom da noite, o fim da madrugada salpicou o céu com o primeiro raio de sol. A terra deu mais uma volta, dando início a um novo ciclo de dia.
O sono foi interrompido pela urgência. Era hora de partir, de seguir a estrada e oficializar mais uma mudança. Raio de sol na escuridão das incertezas.
Novas 24 horas para se habituar ao novo. Um norte no nosso céu estrelado de possibilidades. Acende o farol, liga o motor. Até que se faça dia perfeito, sonhamos com o calor das transformações, com as cores da vida e dos ciclos completos.
O céu rajado de cores anuncia a chegada da manhã. Vivemos o futuro que se transforma em presente. Não sem dor, sem lágrimas e suor. Mas somado à expectativa do hoje e do amanhã que desejamos.
Fecha os olhos por um instante. Agradecemos a Deus pelo cuidado. O vento já começou a esquentar, mas ainda dá pra ver a lua da nossa janela.
E foi assim que o dia começou.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Dia bom


Sapato de salto amarelo.
Combinando com o laço de fita.
Com as flores do trajeto.
Com o sol e com a brisa.

Um dia no parque que exige cuidados.
Há guirlandas, girassois e cataventos.
Há amigos, pic nic e também bons momentos.
Há suor, alegria e risadas pelo ar.

São rodinhas que nos carregam:
de bike, com velocidade e longas kilometragens
de patins, com certo receio, mas com liberdade sem fim
de queridos, que como o vento, nos levam sempre mais além.

É um dia de descanso.
De cumplicidade.
De amizade.
Embalado pela sua música do tempo.

É um dia, simplesmente
Para ficar marcado na história,
na lembrança
e no calendário eterno dos dias bons!