segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Pandora

Eu disse, há pouco, a uma amiga, que minhas idéias ainda estão verdes e que, por isso, não postaria nada hoje. Mas não posso deixar de escrever, ainda que seja uma idéia que não está pronta para ser servida. Hoje é dia 31 de dezembro. O último dia deste ano que eu desejei desde o início que terminasse. E, apesar de ter passado razoavelmente rápido, muitas coisas - boas e ruins - aconteceram no período.
Saio de 2007 com amigos muito especiais. Pessoinhas que me fizeram ser melhor, querer mudanças e provocar a mim mesma na busca de uma sanidade mental. Com a ajuda deles consegui transpor grandes dificuldades na minha vida profissional e quase cheguei a um consenso sobre o que devo fazer. De qualquer forma, aprendi que preciso cuidar mais de mim, mais do meu querer, do que me submeter aos caprichos de um chefe egocêntrico.
Eu descobri, com o amadurecimento desses relacionamentos, que preciso aprender a controlar minha língua. Não me entendam mal. Não falei (tão) mal de ninguém este ano. Falei mais de mim. Mas ao mesmo tempo, preciso ainda trabalhar a velocidade das minhas palavras, para que elas acompanhem o ritmo do pensamento. Já me disseram, e é verdade. Há apenas três coisas que não voltam: a flecha lançada, a oportunidade perdida e a palavra proferida. E como eu preciso acertar as contas com a ponta da minha língua. Astultice não pode, afinal, ser confundida com sabedoria ou certeza. Está mais para impulso, pouca sobriedade e tolice, reconheço.
O ponto máximo de nossas discussões aqui, em 2007, esteve baseado em fortes e castelos. E como eu poderia fechar o ano sem lembrar o viés que demos às metáforas? Por este pensamento, aprendi que construímos, sim, fortes contra as pessoas que nos ferem e o fazemos por medo de sermos, mais uma vez, feridos. Mesmo assim, não deixo de insistir que também devemos pensar na condição do outro. Adotemos, então, uma postura de empatia e leiamos o coração dos nossos amigos. De novo, não quero ser a responsável por adicionar um tijolo ao forte de ninguém.
Por outro lado, as pedras que nos jogaram ganharam a conotação da utilidade. Ainda me preocupa o que fazer das tais pedras: devo construir meu castelo, minhas pontes, ou continuar erguendo fábricas ao invés de playgrounds? Essa não é uma pergunta retórica, mas não acredito que eu vá conseguir qualquer resposta significativa. Por isso mesmo, aviso aos navegantes que estou tomando algumas decisões e asseguro que, para o bem ou para o mal (no final de 2008 a gente descobre), este será um ano de tentativa e - espero eu - poucos erros.
No momento, estou andando rumo à fase de mudanças. E como colocou minha querida vizinha de porta, as mudanças nos causam medo. Confesso a vocês que eu titubeei e ainda não estou certa do que estou para fazer nos próximos dias. Mas acredito que seja a hora de arriscar. Se não o fizer agora, vou continuar apenas usando essas linhas para reclamar da minha condição "injusta" e "escraviária" que eu tolerei que acontecesse. Pois bem, este ano vão haver mudanças e estou sim com medo. Mas a minha inquietação para sair da rotina, do já conhecido e entrar em um investimento em mim está me chamando a atenção. Creio que será difícil não explorar minhas chances. Se eu não o fizer, alguém aí pode me dar um puxão de orelha e me chamar de covarde? Desde já agradeço.
Neste ano de 2007, as páginas deste blog registraram meus maiores descontentamentos e pensamentos pouco "umbiguistas", que eu sequer sabia que existiam. A vocês, leitores, um "muito obrigada", simplesmente por terem me lido, comentado e compartilhado de suas experiências. Nossa sala de terapia continua aberta ao público, com o objetivo de oferecer uma visão que ratifique a sua ou que a retifique. Sitam-se, pois, à vontade para participarem dessa nossa vizinhança de blogueiros inconformados com a mesmice e de palavras certeiras. Afinal, de blogueiro e louco, começo a acreditar que todo mundo tem um pouco.
Feliz ano novo! Um novo calendário repleto de bênçãos, surpesas, decisões acertadas e paz. Muita paz, porque é ela que nos garante que estamos no caminho certo (Cl. 3:15).
Beijos....

4 comentários:

ricardo disse...


Feliz ano novo Lê!

beijos, ricardo

Rafa disse...

Ano de mudança foi o meu em 2007. E que mudanças... acho que você acompanhou um ou duas de perto. Ainda não mudei tudo o que gostaria, mas um dia chego lá. Haha, quem sabe não consigo alcançar daqui a uns 2 ou 3 anos por ai o "patamar de homem" e deixar o "andar de garotão" que você sempre disse. Que 2008 seja para nós ano de crescimento e mudança, mesmo nos erros.

Amo você.
Bjos
Rafa.

PS: Pode deixar, rs adoro dar puxões de orelha hehehehe.

Marcia disse...

hahahahaha!!!
Perdi o posto de " os posts mais longos do Condominio dos Insanos!!!"
Mas pode deixar, se precisar chamar de covarde vou chamar, sem medo de ser feliz, desde que isso contribua para sua sanidade e felicidade!
Já se vao 13 dias do novo ano... e aí? alguma mudança???
Conte tudo e nao esconda nada!

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,