quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Amigos por querência

Estou aprendendo que a amizade mais sincera nem sempre é aquela que você vê todos os dias. Não sei se vocês, caros leitores, já passaram por este tipo de situação. Mas, querendo acreditar que conhecem o gostinho bom do reencontro dos verdadeiros amigos, vou propor um desafio.

Tenho um amigo que me disse, certa vez, que você só deve fazer algo em favor de outra pessoa se realmente quiser. Não faça por obrigação ou porque é o que esperam que você faça. Mas faça porque sentiu vontade de fazer. Assim, quando recebo mensagens dele, sei que está me escrevendo porque lembrou de mim e isso o motivou a me dirigir suas palavras que, aliás, são sempre recheadas com carinho (dá pra sentir isso até pela internet).

O mesmo acontece em relação aos meus amigos blogueiros. Recebi duas homenagens de minhas vizinhas e companheiras de terapia virtual, por ocasião do meu aniversário. Estou até pensando em manter a lembrança do meu dia por mais algum tempo: os presentes que estou recebendo são a excelência dos mimos. Isso porque são o fruto de mentes caprichosas, criativas e de corações que realmente valorizam a amizade.

Mesmo com toda a correria e milhões de páginas para estudar diariamente, a Marcia conseguiu homenagear, não só a mim, mas também nossos outros amigos-vizinhos-blogueiros. Que graça pensar que ajudamos uns aos outros a desconstituir os fortes e erguer sólidos castelos! (e não é assim que a amizade deve ser? Se seu grupo de amigos só te faz sentir mais vontade de isolar-se e defender-se contra tudo e todos, é melhor você repensar sua participação nesse meio. Se não te fazem sentir príncipes e princesas, prontos a viver a beleza dos contos-de-fada, melhor encontrar outros personagens para compor sua novelinha da vida)

Por parte da Talita, quase me sinto alegre por ela não estar trabalhando esses dias. Somente uma mente ociosamente criativa (no melhor contexto que Domenico Demasi poderia produzir) poderia trazer tantos desejos completos, tantos votos certeiros e de tamanha sabedoria. E ainda com todo o vaziiiiiiiiio que esses dias têm nos causado, conseguir demonstrar a profundidade dos seus sentimentos e a vontade genuína em estar ao seu lado para o que der e vier.

Do outro lado do mundo (ou quem sabe, lá na parte norte), Claudinha está nos deixando participar - ainda que em porções diminutas - de suas loucas aventuras no reino da gringolândia. Mas, vamos combinar que já deu. Estamos com saudade e está bom de voltar. E o Ricardo...bom, o Ricardo é onipresente em nossos corações. Com seu estilo discreto, mas firme, todos os dias ele tem sido uma surpresa nas minahs horas.

Portanto, com a vontade expressa, deixo minha admiração e minha torcida para que a Marcia seja a nova juíza do pedaço; a Tita volte aos seus dias de glória e de trabalhadora, assalariada, mas em dólar!; que a Cláudia volte cheia de histórias felizes; e o Ricardo liberte-se das amarras e funde sua república de independência. Planto para vocês, meus queridos, um broto de esperança, regado a muita amizade, com alegria por ter, em vocês, companheiros de vida.

E este é o desafio: exponha-se por seus amigos. Ligue, escreva, abrace, encontre, reúna, demonstre a importância deles na sua vida. Mas que seja por vontade.