quinta-feira, 6 de setembro de 2007

Castelos e Fortes - versão de borboleta

Estou passando por uma fase nada confortável ultimamente. Não sei se posso classificá-la como uma "crise existencial", mas é algo muito similar. Acho que está mais para uma "crise temporal-qualitativa". Dessas que você não tem tempo sequer para pensar em porque não tem tempo. Enfim. Motivada por duas de minhas blogueiras (isso é um neologismo?) preferidas, Márcia e Talita, resolvi, também, escrever sobre os fortes e castelos da minha individualidade (para que você entenda do que se trata, vai aí o endereço da Márcia e, de lá, você acha o da Talita: http://breakingtime.blogspot.com/) .
As pedras com as quais estruturei a moradia da minha alma eram feitas de um material frágil que, com um pouco de tempo, compreensão e perdão, foram sendo substituídas. Mas não posso afirmar que cheguei a construir fortes nem castelos. Tive os meus momentos de soldado preso atrás das colunas e muralhas do meu forte, de onde sequer podia olhar por cima do muro para espiar o inimigo. Qualquer reles animal que se aproximava tornava-se a pior das bestas-feras já conhecidas. Me tornei amarga e solitária. Mas me dava segurança contra o sofrimento, contra a perda, contra a decepção.
Mas, não sou o tipo de pessoa que curte inimizade por muito tempo. Então, meu forte se tornou uma ponte, por onde todos passavam em segurança para o outro lado.
Já tive, também, meu tempo de castelo. Fui princesa, encantada ou não. Tive dias de glória, de ser Ludmila (em russo, "amada pelo povo"), de viver contos de fada e de imaginar que do alto da torre avistaria o princípe encantado. Claro que eles se mostraram mais "sapo" do que príncipe. Então, meu castelo se tornou vida real e resolvi que as pedras seriam para coisas úteis.
Meu problema é que as benditas pedras estão se acumulando sobre minha mesa de trabalho. Não há pá, escavadeira ou enxada que as remova. Minha crise é em saber se o que estou fazendo com as pedras é o que eu deveria fazer. Se ao invés de construir pontes, incansavelmente, eu deveria montar escadas, como propôs a Talita. Ou mais: se ao invés de deixá-las amontoadas sobre a mesa, tentando, arduamente transportá-las de um lado para o outro, se eu não deveria construir casas populares, restaurantes comunitários e camas para os cansados.
Entendem o meu dilema? Joguem-me pedras! Não me importo com elas. Aprendi a me colocar no lugar das pessoas e entender sua dor. Meu problema é tomar pra mim essa dor e ao invés de ajudar a construir castelos ou pontes ou escadas (não sei se quero ajudar a construir fortes...), pegar o serviço sozinha e não me dar tempo para entender o motivo de a tal pedra me ter sido jogada.
Querem lançá-las? Mandem com um manual de instrução. O que fazer dessas pedras, afinal? Colocar no meio do caminho para que o poeta escreva sobre elas e nos deixe um milhão de perguntas sobre o significado da dificuldade que enfrentamos na vida (era disso mesmo que ele estava falando????)?
Usar a pedra como explicação sobre a preposição (esse é meu exemplo clássico para ensinar os alunos sobre a preposição no verbo transitivo indireto. Você desenha o homem caminhando em direção à sua casa. O homem é o verbo e a casa é o objeto. Se tem pedra no meio do caminho, é uma preposição e o verbo é indireto; se não tem, ele chega à casa diretamente, logo....entenderam????)
Se alguém tem dicas do que fazer com as pedras, me avisem. Pois a experiência com castelos e fortes não foi bem sucedida. Só não quero estar com a fábrica pronta e depois descobrir que deveria ter construído um playground.....

3 comentários:

Marcia disse...

Quem diz UAU sou eu!
Depois de um silêncio interminável, dois posts profundos desse jeito?!?!?!?!?!
Nesse momento só posso te dizer que provavelmente somos vizinhas, não de fortes e castelos, mas companheiras de crise, de viagem, de busca, de ânsia por respostas.
Talvez, em algumas, eu já esteja na sua frente, mas isso não significa que as minhas respostas sirvam para você.
O fato de já conhecer um pouco do caminho talvez possa te servir, em algum momento, para evitar dores desnecessárias, para facilitar a localização de atalhos que diminuem o trajeto.
Por isso, estou na poltrona ao lado. Caso precise, é só me dar um toque. Caso você também encontre algo que possa me servir, me chame.. Vou te atender com o maior prazer. Apesar de na "vida real" abominar esse tipo de interrupção ( acho que acabei de ter uma idéia para um próximo post), sei que nesse âmbito elas podem ter o significado de dar uma destinação às pedras, sejam as suas, empilhadas na mesa; ou sejam as minhas, fortes, pesadas e que compõem a estrutura do forte.
Comento mais depois!
Bj!

ricardo pereira disse...

Como disse em um blog aí, tô quase ficando confuso com essas metáforas... rs Na verdade, a parte mais difusa é a das pedras. Nem sei se me atiram tantas pedras assim. Nem sei se que tipos de pedras estão me atirando.

Valeu pelo questionamento sobre as pedras, penso que como eu poderia ajudar na construção de restaurantes comunitários ou moradias populares... rsrs

beijos, ricardo

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,