segunda-feira, 8 de março de 2010

Amarrando as pontas da vida



Desde criança, minha mãe sempre nos ensinou a "amarrar as pontas" do nosso serviço. Isso significava que, ao terminar de lavar o banheiro, por exemplo, o sabão, balde, bucha e tudo o mais que tivéssemos usado na tarefa, deveriam voltar para o lugar que pertencia, isto é, a área de serviço. Todas as vezes que deixávamos os utensílios esparramados, lá vinha minha mãe gritando: "menino! Vem amarrar as pontas do seu serviço!"


Esses dias, essa expressão não sai da minha cabeça. Estou decidida a amarrar as pontas da vida. Tem trabalhos em suspenso, tem ideias não concluídas, tem relacionamentos embaçados, tem vontades não cumpridas. E está na hora de pôr as coisas no lugar.


Não só porque nunca se sabe quando a vida dará uma guinada de 180º, mas também para dar espaço para que novas oportunidades cheguem. Sem ter as barreiras do inacabado me cercando, posso ter a flexibilidade e a mobilidade do talvez e do pode ser. E eu gosto dessas cartas.

Estou amarrando as pontas da minha vida pra poder caminhar pra frente em passos mais largos. Encontrar respostas e decidir o que, afinal, quero fazer daqui pra frente. Saber qual é o próximo passo é sempre um mistério. Mas, se eu canto "o vento sopra, só ele sabe para aonde vai. Quero estar no vento e ser conduzido pela Sua vontade", não posso estar presa a detalhes de uma limpeza concluída, mas não reorganizada.


Estou sonhando com uma nova caderneta, com folhas limpas, páginas em branco, tela escovada, um recomeço. Estou sonhando com uma nova década que se aproxima, com as realizações prometidas, com os desafios que se descortinam e com as possibilidades de ser. E para isto, neste exato momento, estou amarrando as pontas da vida.

E se entre os baldes, escovas, sabões e buchas que detenho ao meu redor, você tem parte, te estendo a mão e convido a me ajudar a limpar meu ambiente que, na sequência, te ajudo a limpar o seu. E vamos abrir as portas de uma vida organizada a um futuro incerto, mas que será precioso.

11 comentários:

FM disse...

Obrigado por este seu texto... lembrou-me a quantidade de pontas soltas que tenho e que já devia ter fechado, para não perder futuras oportunidades de mudança.

Cheguei à conclusão que a mudança, é quase sempre algo positivo, mesmo quando não o parece.
Toda a mudanças, boa ou aparentemente má, contribui para o nosso crescimento... pena que na maioria das vezes só muito mais tarde, olhando para trás, nos apercebemos disso.

Mas tem toda a razão, para qualquer mudança acontecer da melhor forma é preciso ter a "casa arrumada" sem pontas soltas...

Lê Cami disse...

Fm, obrigada pelo comentário! Se tem algo que persigo é a mudança. Sempre.

MM disse...

Cara Lê Cami,

Ainda ontem dava conta num jantar de que esse desmazelamento no amarrar as pontas da vida explica, por exemplo, o aparente descontrolo alimentar vivido actualmente em várias sociedades.

Estou em crer que a vida moderna reserva pouca disponibilidade para o planeamento e organização da vida pessoal, quer em termos do saber encerrar assuntos passados como relativamente ao iniciar de outros.

Tudo isto tem como consequência um padrão de desequilíbrio e instabilidade que todos vamos experimentando à nossa particular maneira.

Saudemos, portanto, o seu esforço de inverter esta realidade.

Marcelo Melo
www.3vial.blogspot.com

Lê Cami disse...

Caro MM, que seja este um esforço coletivo. Se no privado pudermos fazê-lo, com certeza a coletividade também se beneficiará. Não acha?

Hayet disse...

Nê,

eu li esses dias que pessoas que andam a passos largos são antipáticas. Dê passos pequeninos e rapidinhos. rs
A expressão "tela escovada" me deu gastura nos dentes.
Normalmente eu te encho de conselhos, sobretudo quando me identifico tanto com um texto. Mas nesses dias, minha cabeça de férias, me lembra que, pra andar muito tem que fazer pausas. Se posso dar um conselhozinho que seja, hoje é esse. Seja meio idiota um pouco, pense coisas pequenas e leves, descanse da faxina quando amarrar as pontas, e curta o banheiro limpinho com um bom gibi da turma da mônica em mãos.
Vamos juntas! (?)

Te amo demais, sis.
Cinthia

vladéfoda disse...

amarrar as pontas e se possível segurá-las

Squadra SUPERAZIONE disse...

Obrigado por este seu texto

António disse...

Todos nós sonhamos, desejamos amarrar as pontas bem seguras de uma vida de amor,mas tantas vezes ao acordar vislumbramos a verdadeira realidade, era só um sonho.

bj

Geraldo Brito (Dado) disse...

Minha mãe também me ensinou assim...
Parabéns pelo blog!

Anônimo disse...

Lê Cami,
primeiro parabéns por seu blog,realmente toda mudanca,tem sempre algo de positivo.
Mas,eu gostaria de convidá-la visitar nosso site;
www.associacaofilhoprodigo.com.br
estamos,levantando parceiros e associados,se vc puder nos ajudar
indique a outras pessoas nossos projetos,por favor,precisamos de apoio e a sensibilidade de coracões
voluntários.Muito obg!por sua atencão.fica com Deus.

Amanda Teles e Tamillys Camilo disse...

Esse teu texto me tocou demais!
Ameeeei!
Estamos te seguindo!
Visita o nosso blog tb.
Bjão ;)