sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Cracking a book


Não teve jeito. Não resisti e entrei na livraria. Adoro o cheiro de livros - novos e velhos, apesar dos últimos me fazerem espirrar. Me vi rodeada por novos e velhos autores. Alguns que eu admiro por leitura; outros, por história sobre sua leitura. Mas livros, conhecimento, informação, estilos, trejeitos, estilos, capas, cores, formas e tamanhos, comunicação.

Andei pelos corredores, olhando cada prateleira e título. Encontrei os internacionais, em francês, espanhol e português. Sorri quando me deparei com livros conhecidos e desejados, John Grisham, Dante Alighieri, Jane Austen, Charlotte Brontë....tanta história, tantas vidas que influenciaram gerações e até hoje ainda são reconhecidos. O que eles viveram teve reflexo direto em seus estilos e narrativas. Os personagens, as sagas, os sonhos, as respostas.

Jane Austen, em especial, tem sido minha obsessão há algum tempo. Achei um blog com um texto sobre homens que lêem Jane Austen - seria bom de mais para ser verdade? Não. Era verdade. Não apenas leram, como comentaram. A conclusão? "Se quer entender as mulheres, leia Austen". Brilhante conclusão, não? Homens normalmente não são fãs da literatura, mas ser fã de Jane Austen é um sonho de consumo que eu ainda não consegui encontrar! hahaha

De qualquer forma, senti que está na hora de provocar algumas mudanças em favor da minha paixão, que são os livros. Quero trabalhar com eles e no meio deles. Quero entendê-los e o seu processo. Quero voltar a escrever coisas que não sejam apenas informativas e jornalísticas. Pensei em todas as minhas heroínas e todas, sem exceção, são amantes dos livros. Bela (a da Fera), ganha uma biblioteca de presente; Elizabeth Bennet lê enquanto caminha; Kathleen Kelly é dona de uma livraria...se elas podem, eu também posso.

Hora de mudar, de virar a página, de reescrever essa parte da história. Uma nova faculdade? uma pós? Um curso de verão? Não sei. Mas a mudança está para vir e será revestida de processo criativo, de "estorias" e de conquistas sobre dragões e príncipes encantados. Quem sabe, este será um final feliz!

(Indico os blogs Jane Austen em Português - http://www.janeausten.com.br/; e The Jane Auten's World - http://janeaustensworld.wordpress.com/)

5 comentários:

Hayet disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Hayet disse...

Que inspiração bendita! Quando tenho esses surtos sempre fico feliz, de saber que algo bom será acrescentado na minha vida. Espero que o mesmo aconteça pra você.
Se precisar de ajuda pra pirar,pode contar comigo!

Beijos

jefhcardoso disse...

Olá! Com licença; deixe que me apresente: sou Jeferson, um homem comum que gosta de escrever. Quando tenho um tempo saio vadio em visitas a blogs, seguindo a seta que aparece no auto da pagina inicial (próximo blog>>). Posso afirmar que é uma experiência “deliciante”.
Adorei. Seu texto é cativante, uma viagem. Espero que realmente invista em você; é que há tanta força em suas palavras e um sonho vibrante, que de tão vibrante é possível senti-lo palpável.
Espirituoso ao cubo esse jeito de se apresentar. Adorei!
Quando encontro um blog bem legal eu posto um comentário e deixo o convite para que conheçam o http:jefhcardoso.blogspot.com/ . Pela proposta de seu blog creio que poderá encontrar algo em minha sessão em preto e branco, que data de novembro.


Parabéns por seu blog, e desculpe a intromissão.
Abraço: Jefhcardoso.

jefhcardoso disse...

Vi em um blog que tenho acompanhado, e o qual aprendo a respeitar cada vez mais, uma belíssima definição de livro, cuja farei saber agora: "Um livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive..." (Padre António Vieira)

Encontrei esta definição no http://giselda-desassossego.blogspot.com/ . Não é fantástica?

jefhcardoso disse...

Só mais uma coisa (riso), é que o nome dela é com "z", e não com "s" conforme escrevi.
Gizelda. Desculpe (riu novamente).